About Luiza Brunet

  • Member Since: 2 de janeiro de 2021

Description

Filha de Luiz Lopes da Silva agricultor cearense e de Alzira Botelho dona de casa, Luiza nasceu na roça no interior do mato grosso do sul. Aos 12 anos sua mãe, depois de sofrer violência doméstica por alguns anos, decidiu retornar para o Rio de Janeiro rumo ao subúrbio de Inhaúma isso nos anos 70. Seu pai vivia de bicos e sofria de alcoolismo, dona Alzira costurava para fora para sobreviver.
Luiza foi trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos, aos 14 sofreu um abuso sexual. Retornou para casa do seus pais e foi trabalhar como empacotadora e vendedora de loja de rua no subúrbio do Rio de Janeiro.Casou-se aos 16 anos, se tornou modelo aos 17 anos por acaso, conhecida do publico brasileiro na década de 80, construiu uma carreira diferenciada, se tornou a primeira modelo no Brasil a ser contratada como modelo exclusiva da marca Dijon.
Luiza sempre foi símbolo de elegância e descrição, estampou centenas de capas de revistas e muitas matérias relevantes sobre sua pessoa. Sempre foi engajada em causas sociais, emprestando seu nome em imagem para campanhas, natal sem fome do sociólogo Herbert Viana, Defesa dos índios do Pantanal Amazônia em 1995, fez extensas campanhas de amamentação no nascimento dos seus filhos, Yasmin Brunet e Antônio Brunet. Campanha de câncer de mama e doação de sangue.
Em 2002 participou do projeto criança esperança com um projeto criado por ela e ministrando curso para jovens dos morros Cantagalo, pavão e pavãozinho na zona sul do Rio de Janeiro. Se tornou empresária desde 1996 em parceria de licenciamento com a multinacional Avon, hoje Avon/Natura, com uma linha top de fragrâncias, atuou como embaixadora do instituto Avon por 8 anos.
Em maio de 2016 Luiza foi vítima de violência doméstica, foi brutalmente agredida nos USA NY, denunciando seu companheiro. O caso teve repercussão nacional e internacional, abrindo um precedente e colocando sua agressão em pauta no Brasil. Hoje Luiza se tornou uma referência, engajada se tornou ativista nas causas das mulheres e meninas.
Sua agenda é repleta de palestras no Brasil e internacionalmente, e os temas abordados são: *violência doméstica, *empreendedorismo, *compartilhando sua história, *a visão de uma mulher adulta, que viveu violência doméstica quando criança, *abuso sexual na adolescência, *abuso no trabalho, *como se reinventar, *como gerir sua empresa que é sua própria vida e história (toda história e imagem que agrega valor), *como superar tropeços e seguir em frente, *autonomia é o passaporte para independência, *a mulher tem capacidades que ela desconhece,* falando para os homens.

Sorry, no listings were found.

Filha de Luiz Lopes da Silva agricultor cearense e de Alzira Botelho dona de casa, Luiza nasceu na roça no interior do mato grosso do sul. Aos 12 anos sua mãe, depois de sofrer violência doméstica por alguns anos, decidiu retornar para o Rio de Janeiro rumo ao subúrbio de Inhaúma isso nos anos 70. Seu pai vivia de bicos e sofria de alcoolismo, dona Alzira costurava para fora para sobreviver. Luiza foi trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos, aos 14 sofreu um abuso sexual. Retornou para casa do seus pais e foi trabalhar como empacotadora e vendedora de loja de rua no subúrbio do Rio de Janeiro.Casou-se aos 16 anos, se tornou modelo aos 17 anos por acaso, conhecida do publico brasileiro na década de 80, construiu uma carreira diferenciada, se tornou a primeira modelo no Brasil a ser contratada como modelo exclusiva da marca Dijon. Luiza sempre foi símbolo de elegância e descrição, estampou centenas de capas de revistas e muitas matérias relevantes sobre sua pessoa. Sempre foi engajada em causas sociais, emprestando seu nome em imagem para campanhas, natal sem fome do sociólogo Herbert Viana, Defesa dos índios do Pantanal Amazônia em 1995, fez extensas campanhas de amamentação no nascimento dos seus filhos, Yasmin Brunet e Antônio Brunet. Campanha de câncer de mama e doação de sangue. Em 2002 participou do projeto criança esperança com um projeto criado por ela e ministrando curso para jovens dos morros Cantagalo, pavão e pavãozinho na zona sul do Rio de Janeiro. Se tornou empresária desde 1996 em parceria de licenciamento com a multinacional Avon, hoje Avon/Natura, com uma linha top de fragrâncias, atuou como embaixadora do instituto Avon por 8 anos. Em maio de 2016 Luiza foi vítima de violência doméstica, foi brutalmente agredida nos USA NY, denunciando seu companheiro. O caso teve repercussão nacional e internacional, abrindo um precedente e colocando sua agressão em pauta no Brasil. Hoje Luiza se tornou uma referência, engajada se tornou ativista nas causas das mulheres e meninas. Sua agenda é repleta de palestras no Brasil e internacionalmente, e os temas abordados são: *violência doméstica, *empreendedorismo, *compartilhando sua história, *a visão de uma mulher adulta, que viveu violência doméstica quando criança, *abuso sexual na adolescência, *abuso no trabalho, *como se reinventar, *como gerir sua empresa que é sua própria vida e história (toda história e imagem que agrega valor), *como superar tropeços e seguir em frente, *autonomia é o passaporte para independência, *a mulher tem capacidades que ela desconhece,* falando para os homens.

Quando o pai bate na mãe

Destaque Principal, Fique por dentro, Mais Lidas 19 de abril de 2021

Os filhos da violência doméstica também são vítimas do agressor. O Brasil ignora as crianças que testemunham suas mães em situação de perigo dentro de casa. Elas carregam consequências por toda a vida e precisam de atendimento e proteção Eu me lembro como se fosse ontem. Um flash me vem nítido na memória. Tinha sete […]

Filha de Luiz Lopes da Silva agricultor cearense e de Alzira Botelho dona de casa, Luiza nasceu na roça no interior do mato grosso do sul. Aos 12 anos sua mãe, depois de sofrer violência doméstica por alguns anos, decidiu retornar para o Rio de Janeiro rumo ao subúrbio de Inhaúma isso nos anos 70. Seu pai vivia de bicos e sofria de alcoolismo, dona Alzira costurava para fora para sobreviver. Luiza foi trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos, aos 14 sofreu um abuso sexual. Retornou para casa do seus pais e foi trabalhar como empacotadora e vendedora de loja de rua no subúrbio do Rio de Janeiro.Casou-se aos 16 anos, se tornou modelo aos 17 anos por acaso, conhecida do publico brasileiro na década de 80, construiu uma carreira diferenciada, se tornou a primeira modelo no Brasil a ser contratada como modelo exclusiva da marca Dijon. Luiza sempre foi símbolo de elegância e descrição, estampou centenas de capas de revistas e muitas matérias relevantes sobre sua pessoa. Sempre foi engajada em causas sociais, emprestando seu nome em imagem para campanhas, natal sem fome do sociólogo Herbert Viana, Defesa dos índios do Pantanal Amazônia em 1995, fez extensas campanhas de amamentação no nascimento dos seus filhos, Yasmin Brunet e Antônio Brunet. Campanha de câncer de mama e doação de sangue. Em 2002 participou do projeto criança esperança com um projeto criado por ela e ministrando curso para jovens dos morros Cantagalo, pavão e pavãozinho na zona sul do Rio de Janeiro. Se tornou empresária desde 1996 em parceria de licenciamento com a multinacional Avon, hoje Avon/Natura, com uma linha top de fragrâncias, atuou como embaixadora do instituto Avon por 8 anos. Em maio de 2016 Luiza foi vítima de violência doméstica, foi brutalmente agredida nos USA NY, denunciando seu companheiro. O caso teve repercussão nacional e internacional, abrindo um precedente e colocando sua agressão em pauta no Brasil. Hoje Luiza se tornou uma referência, engajada se tornou ativista nas causas das mulheres e meninas. Sua agenda é repleta de palestras no Brasil e internacionalmente, e os temas abordados são: *violência doméstica, *empreendedorismo, *compartilhando sua história, *a visão de uma mulher adulta, que viveu violência doméstica quando criança, *abuso sexual na adolescência, *abuso no trabalho, *como se reinventar, *como gerir sua empresa que é sua própria vida e história (toda história e imagem que agrega valor), *como superar tropeços e seguir em frente, *autonomia é o passaporte para independência, *a mulher tem capacidades que ela desconhece,* falando para os homens.

O vírus da violência doméstica

Destaque Mais Lidas, Fique por dentro, Leia Mais, Utilidade Pública 18 de março de 2021

Enquanto a necessidade do isolamento na pandemia da Covid-19 nos obriga a ficar em casa, as agressões contra as mulheres crescem. Teremos vacina contra essa doença histórica? Estamos tentando nos proteger do contágio de um vírus que já matou mais de duzentas mil pessoas no Brasil e nos assusta com um cenário mundial desolador de […]

Filha de Luiz Lopes da Silva agricultor cearense e de Alzira Botelho dona de casa, Luiza nasceu na roça no interior do mato grosso do sul. Aos 12 anos sua mãe, depois de sofrer violência doméstica por alguns anos, decidiu retornar para o Rio de Janeiro rumo ao subúrbio de Inhaúma isso nos anos 70. Seu pai vivia de bicos e sofria de alcoolismo, dona Alzira costurava para fora para sobreviver. Luiza foi trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos, aos 14 sofreu um abuso sexual. Retornou para casa do seus pais e foi trabalhar como empacotadora e vendedora de loja de rua no subúrbio do Rio de Janeiro.Casou-se aos 16 anos, se tornou modelo aos 17 anos por acaso, conhecida do publico brasileiro na década de 80, construiu uma carreira diferenciada, se tornou a primeira modelo no Brasil a ser contratada como modelo exclusiva da marca Dijon. Luiza sempre foi símbolo de elegância e descrição, estampou centenas de capas de revistas e muitas matérias relevantes sobre sua pessoa. Sempre foi engajada em causas sociais, emprestando seu nome em imagem para campanhas, natal sem fome do sociólogo Herbert Viana, Defesa dos índios do Pantanal Amazônia em 1995, fez extensas campanhas de amamentação no nascimento dos seus filhos, Yasmin Brunet e Antônio Brunet. Campanha de câncer de mama e doação de sangue. Em 2002 participou do projeto criança esperança com um projeto criado por ela e ministrando curso para jovens dos morros Cantagalo, pavão e pavãozinho na zona sul do Rio de Janeiro. Se tornou empresária desde 1996 em parceria de licenciamento com a multinacional Avon, hoje Avon/Natura, com uma linha top de fragrâncias, atuou como embaixadora do instituto Avon por 8 anos. Em maio de 2016 Luiza foi vítima de violência doméstica, foi brutalmente agredida nos USA NY, denunciando seu companheiro. O caso teve repercussão nacional e internacional, abrindo um precedente e colocando sua agressão em pauta no Brasil. Hoje Luiza se tornou uma referência, engajada se tornou ativista nas causas das mulheres e meninas. Sua agenda é repleta de palestras no Brasil e internacionalmente, e os temas abordados são: *violência doméstica, *empreendedorismo, *compartilhando sua história, *a visão de uma mulher adulta, que viveu violência doméstica quando criança, *abuso sexual na adolescência, *abuso no trabalho, *como se reinventar, *como gerir sua empresa que é sua própria vida e história (toda história e imagem que agrega valor), *como superar tropeços e seguir em frente, *autonomia é o passaporte para independência, *a mulher tem capacidades que ela desconhece,* falando para os homens.

Salvar crianças do abuso é salvar nosso futuro

Destaque Mais Lidas, Fique por dentro, Mais recente, Utilidade Pública 18 de fevereiro de 2021

A violência sexual infantil segue acontecendo. É preciso que a sociedade acorde e reaja   A violência sexual contra crianças e adolescentes representa uma terrível violação dos direitos humanos, um crime de alta gravidade e uma ameaça à saúde. Qualquer estupro é hediondo e deve ser severamente combatido. Mas a violência sexual contra crianças e […]

Filha de Luiz Lopes da Silva agricultor cearense e de Alzira Botelho dona de casa, Luiza nasceu na roça no interior do mato grosso do sul. Aos 12 anos sua mãe, depois de sofrer violência doméstica por alguns anos, decidiu retornar para o Rio de Janeiro rumo ao subúrbio de Inhaúma isso nos anos 70. Seu pai vivia de bicos e sofria de alcoolismo, dona Alzira costurava para fora para sobreviver. Luiza foi trabalhar como empregada doméstica aos 12 anos, aos 14 sofreu um abuso sexual. Retornou para casa do seus pais e foi trabalhar como empacotadora e vendedora de loja de rua no subúrbio do Rio de Janeiro.Casou-se aos 16 anos, se tornou modelo aos 17 anos por acaso, conhecida do publico brasileiro na década de 80, construiu uma carreira diferenciada, se tornou a primeira modelo no Brasil a ser contratada como modelo exclusiva da marca Dijon. Luiza sempre foi símbolo de elegância e descrição, estampou centenas de capas de revistas e muitas matérias relevantes sobre sua pessoa. Sempre foi engajada em causas sociais, emprestando seu nome em imagem para campanhas, natal sem fome do sociólogo Herbert Viana, Defesa dos índios do Pantanal Amazônia em 1995, fez extensas campanhas de amamentação no nascimento dos seus filhos, Yasmin Brunet e Antônio Brunet. Campanha de câncer de mama e doação de sangue. Em 2002 participou do projeto criança esperança com um projeto criado por ela e ministrando curso para jovens dos morros Cantagalo, pavão e pavãozinho na zona sul do Rio de Janeiro. Se tornou empresária desde 1996 em parceria de licenciamento com a multinacional Avon, hoje Avon/Natura, com uma linha top de fragrâncias, atuou como embaixadora do instituto Avon por 8 anos. Em maio de 2016 Luiza foi vítima de violência doméstica, foi brutalmente agredida nos USA NY, denunciando seu companheiro. O caso teve repercussão nacional e internacional, abrindo um precedente e colocando sua agressão em pauta no Brasil. Hoje Luiza se tornou uma referência, engajada se tornou ativista nas causas das mulheres e meninas. Sua agenda é repleta de palestras no Brasil e internacionalmente, e os temas abordados são: *violência doméstica, *empreendedorismo, *compartilhando sua história, *a visão de uma mulher adulta, que viveu violência doméstica quando criança, *abuso sexual na adolescência, *abuso no trabalho, *como se reinventar, *como gerir sua empresa que é sua própria vida e história (toda história e imagem que agrega valor), *como superar tropeços e seguir em frente, *autonomia é o passaporte para independência, *a mulher tem capacidades que ela desconhece,* falando para os homens.

Carta aberta ao homem agressor

Destaque Principal, Fique por dentro, Utilidade Pública 18 de janeiro de 2021

O mundo mudou e não tolera mais a violência contra a mulher. Não tolera mais gente como você. Mude ou a punição da justiça virá. Não atire pedras. Não atire. Não atire-se. Homens de verdade não batem em mulheres. Nos Respeite. Respeite seus filhos. Respeite-se como homem. Sempre é tempo de mudar. Não é fácil […]

×
Portal Londres