Por que aprender a regular nossas emoções é importante, e como começar?

Destaque Mais Lidas, Fique por dentro, Mais recente, Saude 15 de março de 2021

As emoções sempre desempenharam um papel importante na evolução e adaptação da espécie humana ao meio onde vive. Desde os primórdios, as emoções auxiliaram nossos ancestrais como sinais para que pudessem enfrentar os desafios externos. Diferente deles, hoje em dia nós não nos deparamos mais com tigres e animais ameaçadores, mas diante de um perigo continuamos a ter as mesmas reações: coração acelerado, músculos contraídos, temos vontade de fugir… Portanto, todas as emoções são importantes e tem função de existir. O ponto que precisamos observar sempre é a frequência e intensidade de cada emoção.

Uma boa regulação emocional é a capacidade de lidar de forma funcional com a intensidade e duração de uma emoção. Por outro lado, a desregulação emocional seria a incapacidade ou dificuldade em modificar como você está se sentindo. Um ponto bem importante para se levar em conta é que muitas pessoas até conseguem modificar como estão se sentindo, mas de forma disfuncional. Por exemplo, estou me sentindo muito ansiosa, então vou comer em excesso para tentar aliviar essa ansiedade (usa a comida como forma de alívio momentâneo), ou faz compras compulsivamente para tentar se sentir mais feliz, entre tantos outros exemplos.

O objetivo da regulação emocional então seria aprender a lidar de forma funcional com as emoções e diminuir o sofrimento diante das situações. Nós não nascemos com essa habilidade, e dificilmente ao longo da nossa vida fomos ensinamos como lidar com as nossas emoções de uma forma que nos trouxesse melhor qualidade de vida. Mas, nem tudo está perdido! Por se tratar de uma habilidade ela pode ser aprendida e desenvolvida a qualquer momento.

Aprender a lidar melhor com as emoções não significa eliminá-las, até porque isso não seria possível e nem saudável. É muito comum que quando estamos ativados emocionalmente de forma muito intensa a nossa tendência a querer eliminar aquela emoção “desagradável” a qualquer custo se manifeste, “Nunca mais quero me sentir triste dessa forma”. 

A forma como pensamos e agimos quando temos uma emoção pode piorar ou melhorar a situação. As emoções indesejáveis pioram à medida que utilizamos estratégias problemáticas ou disfuncionais para lidar, entre elas: preocupação excessiva, evitação, culpabilizar os outros, abuso de substâncias, compulsão alimentar e queixas. 

Dentro da Terapia Cognitivo Comportamental entendemos que tanto as emoções quanto os nossos pensamentos não são fatos, não são verdades absolutas, mas sim interpretações que fazemos deles. Levando isso em consideração, um dos fatores que é super importante como ponto de partida para desenvolver uma boa regulação das emoções é aprender a identificar e nomear as nossas emoções. A reação emocional conta algo para nós, a emoção sinaliza uma possível interpretação que estou fazendo de uma determinada situação, ela diz que aquilo me afeta de alguma forma.

Uma forma de anotar e perceber as emoções é fazendo o seguinte relato: Sinto-me_________ (emoção) sobre/porque/por/quando ________________ (tema ou situação), levando-me a ____________ (reação/comportamento).

Exemplo: Sinto-me ansiosa por causa do relatório que terei que apresentar no trabalho, o que me leva a evitar ao máximo aquela situação por receio de me expor para os meus colegas.

Desenvolver a atenção plena e a aceitação ao lidar com suas emoções é fundamental. Pare um momento e apenas observe o que está sentindo, sem julgamentos e sem agir (ou reagir) imediatamente de maneira automáticaAceite suas emoções como algo normal, acolha-se e não se culpe por senti-las.

Talvez você possa olhar para trás em sua vida e encontrar algumas situações em que você exagerou. Ou pode lembrar-se de quando suas emoções estavam intensas com algo que lhe pareceu uma grande coisa e na verdade era algo de pouca importância. Verificar os fatos quando eles ocorrem pode te ajudar a reduzir a intensidade dessas emoções extremas. Verificar os fatos faz com que você tenha autoconsciência, como um pesquisador, um detetive da sua própria mente buscando evidências. Examinar os fatos e não levar automaticamente tudo como verdade absoluta vai te ajudar a não reagir de forma impulsiva a tudo que acontece. 

Pontos importantes que podem ajudar a identificar os fatos quando sentir uma emoção desagradável:

  • Tenho elementos que justificam eu estar me sentindo assim nessa intensidade?
  • Identificar se estou fazendo alguma distorção – exemplo: na ansiedade é comum a catastrofização/E se – visão sempre do pior cenário.
  • O que aconteceu que desencadeou uma emoção diferente em mim? (Indicador)
  • Essa interpretação que estou fazendo dessa emoção vai resolver meu problema no momento?

Não temos muito controle a respeito do que pensamos e como nos sentimos, mas está no nosso controle o nosso comportamento, a ação que vamos tomar. Quando é feita a análise de evidências e a emoção não é justificada, por exemplo: medo intenso em uma situação que não apresenta perigo real, então a habilidade de praticar a ação oposta é importante. Ao invés de evitar, se esquivar, entender a emoção presente e enfrentar a situação de maneira consciente. Escolhendo a ação oposta você tem a chance de mudar suas emoções. Se você automaticamente começa a gritar quando sente raiva, experimente falar de maneira calma e gentil. Se você se afasta das pessoas quando está triste, tome a decisão de falar com um amigo da próxima vez que se sentir desta maneira. É preciso muita prudência para chegar nessa análise, e é indispensável em casos de transtornos de ansiedade ou qualquer outro transtorno mental que busque ajuda psicológica para criar estratégias de enfrentamento adequadas para cada caso.

Não é qualquer situação que merece nossas lágrimas, nossa explosão de raiva, ou momentos que perdemos horas preciosas do dia remoendo sobre. Precisamos ter consciência e escolher muito bem as batalhas que queremos enfrentar e aquelas que podemos evitar. Desenvolver um bom relacionamento com suas emoções faz com que você tenha um relacionamento melhor com você mesma e com as pessoas a sua volta. Se estiver difícil desenvolver essas habilidades sozinho, não hesite em procurar ajuda psicológica. Espero que essas informações tenham sido úteis para você!

 

Para assistir: Filme Divertidamente – Inside Out (2015) Disney/Pixar

 

Últimos posts por Bruna Brunetti (exibir todos)

Leave a Reply

Popular

  • 95º aniversário da Rainha Elizabeth II n...

    by on 4 horas ago - 0 Comments

    A Rainha Elizabeth II completa 95 anos nesta quarta-feira, dia 21, marcando o primeiro aniversário sem seu marido, o Duque de Edimburgo, que morreu aos 99 anos no dia 9 de abril.   Não haverá celebrações públicas, pois a monarca continua em luto até sexta-feira (23), e segundo a BBC, acredita-se que alguns membros da […]

  • Eleições para o Conselho de Cidadania do...

    by on 6 horas ago - 0 Comments

    O Consulado-Geral do Brasil em Londres, no uso de suas atribuições legais, torna público o Edital para eleição de 12 membros para a gestão 2021-2023 do Conselho de Cidadania do Reino Unido (CCRU), e convida a comunidade brasileira residente no Reino Unido para participar da eleição.   O CCRU é um foro informal e apartidário, […]

  • Covid-19: dez milhões de pessoas no Rein...

    by on 20 de abril de 2021 - 0 Comments

    Mais de 10 milhões de pessoas no Reino Unido receberam a segunda dose de uma vacina contra o coronavírus, isso significa quase 1 em cada 5 adultos no país. Os serviços de saúde em todo o Reino Unido já administraram um total de 43.084.487 milhões de vacinas entre 8 de dezembro e 18 de abril, […]

  • Mercados em Londres para visitar em 2021...

    by on 20 de abril de 2021 - 0 Comments

    London Eye, Tower Bridge, Oxford Street e Piccadilly Circus, certamente, para a maioria, ao planejar explorar a capital britânica, essas opções estão na lista. Devemos concordar que todos esses lugares são maravilhosos e cada um tem sua magia.    Porém, neste artigo, iremos mostrar opções de mercado em Londres para explorar. Os mercados em Londres […]

  • Quando o pai bate na mãe

    by on 19 de abril de 2021 - 0 Comments

    Os filhos da violência doméstica também são vítimas do agressor. O Brasil ignora as crianças que testemunham suas mães em situação de perigo dentro de casa. Elas carregam consequências por toda a vida e precisam de atendimento e proteção Eu me lembro como se fosse ontem. Um flash me vem nítido na memória. Tinha sete […]

×
Portal Londres