Qualificações brasileiras e acesso a universidades britânicas

Economia/Política, Fique por dentro, Leia Mais, Mais Lidas, Para Dar Detaque, Sem categoria, Utilidade Pública 12 de junho de 2020

Qualificações brasileiras e acesso a universidades britânicas

Para todo mundo que não pôde acompanhar a live que fizemos aqui na segunda-feira, dia 8 de junho, em conjunto com a Mesa de Educação do CCRU (Conselho de Cidadania) do Consulado-Geral do Brasil no Reino Unido, seguem abaixo as resposta para as principais dúvidas que abordamos.

Que tipo de qualificação eu preciso para começar uma universidade no Reino Unido?
Depende do curso. Se o objetivo for fazer um curso de graduação e a sua qualificação for o Ensino Médio do Brasil, você precisará fazer um ano de Foundation ou um curso chamado Access to Higher Education. Algumas universidades, includindo a Birkbeck, onde eu trabalho, oferecem cursos de quatro anos cujo primeiro ano é o ano de Foundation. Já o Access to Higher Education são geralmente oferecidos por colleges locais, vale a pena conferir se o college perto da sua casa oferece esse curso. Uma dica aqui: os colleges não são muito acostumados a lidar com qualificações estrangeiras. Portanto, tenha paciência porque pode ser que eles demorem a dar uma resposta a você. Já as universidades estão acostumadas a lidar com qualificações estrangeiras e tudo o que você precisa é de uma tradução cerificada do seu Diploma ou certificado de Conclusão do Ensino Médio e do seu Histórico Escolar. É importante ter esse serviço feito por uma tradutora certificada aqui na Inglatera ou uma tradutora juramentada no Brasil.
Já os brasileiros que completaram pelo menos um ano de universidade no Brasil. Eles devem preparar a tradução certificada do histórico escolar do Ensino Médio, Certificado de Conclusão do Ensino Médio, além da tradução certificada do histórico escolar do primeiro ano de curso superior no Brasil.
Para mestrados ou pós-graduações, a pessoa que completou o Ensino Superior no Brasil não precisa fazer nenhum tipo curso de preparação se não quiser, já que os cursos de graduação no Brasil são considerados equivalentes aos cursos de graduação oferecidos no Reino Unido.

Qualificações brasileiras e acesso a universidades britânicas

unsplash picture

Existe vestibular no Reino Unido? Como é feita a seleção?
Para quem não sabe, no Reino Unido não existe vestibular. Todas as universidades recebem aplicações dos candidatos através de uma plataforma chamada UCAS e todo o processo de candidatura acontece online, por meio desse website. Todos os documentos exigidos são enviados por meio desse site, independentemente da nacionalidade do candidato. No UCAS você se candidata para até 5 universidades distintas e paga uma pequena taxa (em torno de 25 libras) para enviar a sua candidatura.
Personal Statement, ou carta de apresentação, na qual você explica por que quer estudar aquele determinado curso e por que você deveria ser selecionado. Para dicas sobre como escrever uma boa carta de apresentação clique aqui
Documentos escolares: histórico escolar, certificado de conclusão de Curso ou diploma (do Ensino Médio) traduzidos oficialmente para o inglês.
Certificado de proficiência em Inglês – IELTS, TOEFL, são alguns dos exames mais comuns aceitos pelas universidades. A nota de entrada exigida nesses certificados depende muito do nível de exigência da universidade e do curso escolhido. Cursos que exigem mais habilidades de comunicação, como por exemplo o Direito ou Psicologia, Jornalismo, tendem a ter uma exigência de nota mais alta. Mas em média, para cursos de graduação, a nota é de 6.0 no IELTS (overal score, ou nota geral) com não menos de 5.5 em cada prova. No total, são quatro habilidades testadas: a leitura ou interpretação de texto, a escrita, a comunicação oral, e a compreensão auditiva

Qualificações brasileiras e acesso a universidades britânicas

Pixabey picture

Carta de Referência – Geralmente uma, profissional ou escolar, que é inserida na aplicação do UCAS.
Lembrando que aplicações no UCAS podem parecer meio assustadoras, mas há muito material na internet explicando como enviar a sua candidatura, além de agências que auxiliam o candidato nesse processo muitas vezes sem cobrarem nada por isso.
Já a candidatura ao mestrado é geralmente feita pelo próprio site da universidade. Os documentos exigidos são muito parecidos. A diferença é as universidades geralmente vão pedir duas cartas de referência, uma nota mais alta de proficiência no certificado de inglês e o CV do candidato.

Quais tipos de auxílio, empréstimo, bolsa que eu posso obter no Reino Unido?
Graduação – Brasileiros com dupla cidadania (por exemplo, europeia ou britânica) e brasileiros com residência permanente no Reino Unido geralmente têm direito ao Student Finance. Para os com cidadania europeia a regra principal é a da residência. Você precisará comprovar que viveu legalmente por três anos consecutivos antes do primeiro dia de aula na universidade dentro de um país da União Europeia (incluindo o Reino Unido) e pagou impostos nesses países. O Student Finance é um empréstimo cujo valor máximo chega a cerca de £9250 libras por ano, que é o custo da grande maioria dos cursos de graduação aqui no Reino Unido. Caso o empréstimo seja aprovado, o valor é transferido diretamente para a universidade sem que o estudante precise ter acesso ao dinheiro. Há outros auxílios disponíveis também, além de algumas ajudas de custo que não precisam ser devolvidas, ao contrário dos empréstimos. Para disponibinizá-las, o governo levará em consideração, dentre outras coisas, o tempo de residência do estudante no país, além da renda individual ou da casa. O empréstimo é devolvido pelo estudante depois que ele se forma, em parcelas mensais descontadas da folha de pagamento. As prestações são pequenas e levam em consideração a renda mensal de quem recebeu o empréstimo.
Mestrados – Para quem quiser fazer um mestrado no Reino Unido, há também empréstimos disponíveis, que são transferidos diretamente para a conta do estudante, que decide se utiliza o valor para fazer o pagamento do curso ou para o custeio relacionado aos estudos. Mais informações sobre valore e critérios de seleção pode ser encontradas aqui.

Quantas horas são os cursos e o que muda com a pandemia?
Ao contrário do Brasil, os cursos integrais no Reino Unido não exigem tanto tempo do aluno em sala de aula. Geralmente, os estudantes vão à universidade de 3 a 4 vezes por semana, por 3 a 4 horas por dia. No entanto, é preciso se preparar bastante fora das salas: leituras, trabalhos individuais e em grupo, costumam tomar bastante tempo dos estudantes. Portanto, se você precisa conciliar estudos ao trabalho ou outros compromissos pessoais separe pelo menos entre 25-30 horas por semana para os estudos. Cursos part-time ou meio-período estão disponíveis para quem não precisa de visto de estudante. Geralmente, quem estuda graduação part-time termina o curso em 4 anos ao invés de 3 e o mestrado em 2 anos, ao invés de 1.
As universidades continuam aceitando aplicações para cursos de graduação e mestrado independentemente da pandemia. Portanto, se você tem interesse em se candidatar, ainda dá tempo. Sobre as mudanças trazidas com o isolamento decorrente da pandemia, as principais delas têm relação com a possibilidade do início de um ano letivo virtual (as aulas aqui começam entre setembro e outubro) especialmente nos primeiros 3 meses de aula ou do postergamento do início das aulas. Na Birkbeck, o ano letivo ainda está programado para acontecer em outubro. Vale lembrar que a Birkbeck é a única universidade que oferece cursos no período noturno, entre as 6 e às 9 horas da noite, no centro de Londres, uma excelente opção para profissionais que trabalham durante o dia.

Para quem tiver mais dúvidas ou quiser saber mais, é só mandar um email para v.ribeiro@bbk.ac.uk

Até o próximo texto!

Veridiana Ribeiro

Deixe seu Comentário

×