Jacinda Ardern, Primeira Ministra da Nova Zelândia afirma: “Fronteiras abertas para o mundo não vai acontecer tão cedo”.

Economia/Política, Fique por dentro, Leia Mais, Mais Lidas, Sem categoria, Utilidade Pública 8 de maio de 2020

Jacinta Ardern

Em uma semana de muitas discussões sobre a retomada do comércio, indústrias, educação e fronteiras do mundo, Jacinda Ardern, primeira ministra da Nova Zelândia, disse que o país não terá fronteiras abertas com o resto do mundo tão cedo.
Essa declaração foi dada após uma reunião online em que participantes da Oceania, estudam a hipótese de uma livre passagem entre a Austrália e Nova Zelândia, sem grande revista, em uma zona segura de tráfego. E assim, pessoas poderiam transitar livremente por esses dois países com as mesmas regras de isolamento. Mas, Jacinda reforça que o contato com pessoas vindas de outros países ainda pode demorar.
A Primeira Ministra, que tem se mostrado bastante cautelosa com relação a esse novo cenário mundial, afirma que “há muito trabalho a ser feito, para que possamos progredir.”.
Aos jornalistas, Jacinda diz estar segura sobre sua declaração, mesmo sabendo que o turismo é uma das maiores indústrias da Nova Zelândia, empregando 10% da força de trabalho e alavancando até 6% do PIB do país, com turistas de todo o mundo, inclusive do Reino Unido. Ela reforça que não há nada particular contra nenhum país, mas que são apenas medidas de proteção as pessoas.
Sem novos casos de corona vírus, desde a última terça feira, a Nova Zelândia é um dos grandes exemplos para o mundo, com apenas 20 mortes, juntamente com a Austrália que tem um número de habitantes bem maior, mas ainda assim registra 96 casos de mortes pelo Covid 19.
A propagação do corona vírus tem nos mostrado que ainda é cedo afirmar o que é certo ou o que é errado. O mundo tem percebido que o Covid 19 não é uma corrida de cem metros e sim uma grande maratona, onde só saberemos com calma, os erros e acertos de cada líder. Mas já deu para entender que quem se preocupa com as pessoas, está mais perto dessa linha de chegada.

Texto por Juliana Albanez

Deixe seu Comentário

×