OMS em tempos de Covid-19

Destaque Principal, Economia/Política, Fique por dentro, Mais Lidas, Não categorizado, Saude, Sem categoria, Utilidade Pública 25 de abril de 2020

O que e OMS

Um dos principais atores do combate ao COVID-19 é a Organização Mundial de Saúde (OMS).
A OMS é alvo de críticas de alguns governos, o principal deles sendo o Governo Trump que recentemente anunciou a suspensão do financiamento para esta organização.
Mas o que é a OMS, o que ela faz e por quê ela é tão importante nesse momento?

Esse artigo busca elucidar os objetivos, acertos e falhas da principal organização independente de saúde do mundo.

O que é a OMS?

A Organização Mundial de Saúde foi fundada em 1948, e está subordinada ao sistema das Nações Unidas (ONU). Ambas as organizações foram criadas num contexto de mundo pós Segunda Guerra Mundial, onde cooperação e suporte internacional eram encorajados para que os países pudessem encontrar melhores soluções para problemas comuns. Chamamos de era do multilateralismo.

A OMS foi responsável por controlar surtos de doenças como a malária e a tuberculose, e erradicou a varíola. Isso per se já é um grande mérito, mas as atividades da OMS constituem muito mais: a organização é responsável por patrocinar programas para prevenção de doenças; desenvolver e distribuir vacinas seguras e eficazes; pesquisar diagnósticos farmacêuticos; distribuir medicamentos; prover suporte a países no combate de doenças e epidemias; e exportar equipamentos e staff médico para diversas nações.
A OMS produz uma série de publicações e recomendações anuais, além de investir em diversas campanhas de saúde para melhorar os hábitos de saúde da população mundial.

No inicio dos anos 2000, a organização foi uma das principais protagonistas para que a SARS (outra variação do coronavírus que também veio da China) não se espalhasse drasticamente pelo mundo. Nessa época a OMS tinha uma postura diplomática diferente da que vemos hoje, sua antiga Diretora Geral, a norueguesa Dra Gro Harlem Brundtland, foi a publico algumas vezes criticar países como China diante da sua omissão e postura de descaso em combate ao vírus da época.

Imagina se o atual diretor o Dr Tedros Adhanom agisse do mesmo jeito? Quem vocês acham que ele iria criticar?

Importante frisar que a OMS é financiada por contribuições de seus Estados-membros (Brasil sendo um deles) e por outros doadores externos, entre eles o Banco Mundial e a Fundação do Bill Gates que é a segunda principal contribuinte atrás dos Estados Unidos.

Infelizmente, como esperado, a OMS não foge à regra de características das demais organizações internacionais, que são conhecidas por sua alta burocracia, falta de dinamicidade e incapacidade de pensar “fora da caixinha”.

A OMS foi muito criticada pela sua postura no surto do Ebola em 2014. A organização foi condenada por descaso e lentidão, inclusive de demorar para declarar emergência mundial pública, o que fez com que os EUA interviessem com tropas americanas em países da África que na época estavam sendo assolados pelo vírus.
A descredibilidade só aumentou com e-mails vazados a publico destacando a incompetência de alguns empregados da organização, o que acarretou numa perda substancial de confiança institucional.

Porém, no atual momento COVID-19, a OMS é peça insubstituível no tabuleiro de batalha. A organização está concentrando e mobilizando os melhores pesquisadores e profissionais de saúde para encontrar as soluções mais efetivas de combate ao vírus, e no mais curto prazo. E para isso a cooperação internacional dos países é essencial.

O que é uma pandemia e o que isso significa?

O principal fator associado à caracterização de uma doença como pandemia é o seu fator geográfico.
Ao declarar o COVID-19 como pandemia, a OMS, com muita cautela, indicou que a contaminação do vírus se tornou global, ou seja, a doença já se espalhou e irá contagiar muitas pessoas ao redor do mundo simultaneamente.
Essa nomenclatura, em tese, não se caracteriza pela gravidade da doença.
Porém, não é subestimável a seriedade da pandemia do COVID-19, pois em menos de quatro meses um total de quase 3 milhões de pessoas foram infectadas mundialmente, totalizando 200 mil mortos. Além de ser um vírus novo, contra o qual o ser humano não possui defesas naturais, não há nem medicamentos ou vacinas que consigam proteger a população.

No âmbito político internacional, quando um alerta de pandemia é dado, espera-se que todos os países ajam de maneira prudente e comecem a adotar ações para conter a disseminação do problema e para cuidar dos pacientes adequadamente.
Para isso algumas estratégias emergenciais devem ser colocadas em prática pelos seus governantes.
Distanciamento social é uma delas.

A OMS e o COVID-19

Atualmente a OMS está sendo a principal organização trabalhando para conter o contagio e as consequências de saúde provocadas pelo COVID-19.

No inicio, a OMS tentou buscar respostas da China que recusou que a organização chegasse em Wuhan.
Porém, nas primeiras semanas de fevereiro, Dr Tedros se encontrou com o Presidente chinês Xi Jinping e as coisas mudaram. A partir daí a OMS entrou no país e vem trabalhando em conjunto com o governo chinês para encontrar uma solução mais eficaz para o atual momento.

A falta de fiabilidade internacional e o atual contexto global de tendência ao unilateralismo, fazem com que a organização possua uma postura menos incisiva e mais diplomática, para evitar atritos entre os Estados membros.
A OMS é criticada por essa posição mais passiva, principalmente por governantes autoritários e populistas que buscam desviar a atenção das suas peripécias e respostas incompetentes ao surto do novo coronavírus.

É preocupante ver a dessincronização global entre os órgãos internacionais e os países. O momento pede mais união e transparência.
Ao anunciar suspensão do financiamento a OMS, Trump legitima o posicionamento preocupante de reduzir a gravidade da atual pandemia.

Os líderes mundiais estão no spotlight, e como eles respondem à esta crise irá fazer toda a diferença frente aos seus cidadãos. Apontar dedos e encontrar culpados externos apenas retarda duas variáveis inevitáveis: a de que o vírus está aí e de que o contágio não vai parar, por isso é preciso agir em cooperação com demais países e atores da sociedade para que a resposta para essa crise seja dada da maneira mais eficiente possível.

 

Texto por Maria Antonia De Carli

Maria Antonia De Carli
Últimos posts por Maria Antonia De Carli (exibir todos)

Deixe seu Comentário

Popular

  • Preciso fazer o IELTS para ingressar em ...

    por em 11 horas atrás - 0 Comentários

    Se você não sabe o que é o IELTS (International English Language Testing System), iremos te explicar. É um teste de proficiência em inglês que mede seu nível e, através dele, você pode ingressar em mais de 9.000 instituições espalhadas pelo mundo. As provas, que são divididas em quatro etapas, são aplicadas em mais de […]

  • Boris Johnson anuncia reabertura de seto...

    por em 23 de novembro de 2020 - 0 Comentários

    O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, informou hoje (23), as restrições que serão impostas ao fim desse segundo lockdown na Inglaterra. O bloqueio que teve início dia 5 de novembro e terminará dia 2 de dezembro, agora contará com regras de acordo com os níveis de casos em cada região.   O QUE REABRIRÁ APÓS O […]

  • Natal: “flexibilização” de p...

    por em 22 de novembro de 2020 - 0 Comentários

    Entende-se até o momento que o objetivo é um abrandamento das regras em todo o Reino Unido pelo período de uma semana, para que as famílias possam se reunir. Contudo, regras rígidas permanecerão em vigor na Inglaterra mesmo depois que o bloqueio nacional acabar no dia 2 de dezembro. Esse sistema estará em vigor de […]

  • Veja a lista dos vencedores do Best of B...

    por em 20 de novembro de 2020 - 0 Comentários

    Ocorreu ontem (19), a cerimônia de premiação do Best of Brazil European Awards 2020. Idealizado pelo empreendedor Rafael dos Santos, o evento contou com a presença de convidados especiais, foram eles: Angela Hirata, Douglas Heizer, Marcos Viana, Luiza Brunet e Neguinho da Beija-Flor. Inicialmente a premiação iria ocorrer no Parlamento Britânico, mas devido a pandemia […]

  • Conheça a Livros For Kids, a distribuido...

    por em 19 de novembro de 2020 - 0 Comentários

    Criada pela empresária brasileira Vanessa Pfeil, a distribuidora Livros For Kids tem como objetivo promover a língua portuguesa e a cultura brasileira no exterior com qualidade e preço acessível, para que o maior número de famílias possam deixar o português como língua de herança para os seus filhos. Atualmente, é a maior distribuidora de livros […]

×
Portal Londres