O Barcelona da era do Pep Guardiola: os imortais do futebol mundial

Curiosidades de Londres, Esportes, Fique por dentro, Mais recente, Moda e beleza, Saude 27 de junho de 2019

No meio de 2008, Frank Rijkaard foi demitido do comando do Barcelona e Pep Guardiola, que estava treinando o time B do Barcelona, veio para substituí-lo, dando início à uma era mais vitoriosa e espetacular do clube catalão.

Guardiola aproveitou o dinheiro das vendas de Edmilson, Ronaldinho Gaúcho, Lilian Thuram, Deco e Zambrotta para contratar peças que seriam importantes para o clube, tais como: Daniel Alves, Keita, além de promover Sérgio Busquets, Pedro e Pique ao time principal. E suas decisões foram um sucesso extraordinário.

Assim, nasceu o Tiki Taka – um estilo de jogo de vários toques, domínio amplo da partida e muita posse de bola no campo adversário, praticamente sem deixar o outro time jogar. O Barcelona ganhou, simplesmente, tudo que disputou e garantiu o chamado sexteto: Campeonato Espanhol, Copa do Rei, Supercopa da Espanha, Champions League, Supercopa da UEFA e o Mundial de Clubes.

O time base de Guardiola, em sua primeira temporada, era formado por Victor Valdes (no gol); Dani Alves e Silvinho (nas laterais); Puyol, Pique ou Yaya Toure (na defesa). No meio de campo estavam Busquets e a dupla: Xavi e Iniesta, jogadores de inteligência tática fora do comum – o trio – Messi, Henry e Eto que formavam o ataque.

Após ouvir o nome de Pep Guardiola, corações da Torcida do Barcelona e todos os amantes do Futebol saltam do peito e olhos se enchem de lágrimas. Enfim, as lembranças e o show da fase mais marcante e vitoriosa do FC Barcelona vem à tona. A história do Pep (como os chamam os torcedores do Barca) no comando do clube é recheada de momentos históricos. Repleta de goleadas e filosofias marcantes e, o mais importante, futebol bonito e extremamente feroz na aplicação de algumas filosofias.

“No processo, há sempre muitas perguntas, a única coisa que vale a pena é a convicção de ter uma ideia”. Com essa frase Guardiola inspirou o Barcelona a mudar mais ainda, tinha já mudado de filosofia graças Johann Cruyff legendário jogador do Barca e da Seleção Holandesa.

Não tem como falar  de Pep sem citar seu estilo e sua filosofia de jogo. Sua forma de jogar consistia em inúmeros toques de bola que seus jogadores davam. A bola passava pelos pés de todos os jogadores durante as partidas. Seu Barcelona se caracterizava pela manutenção da posse no campo de ataque do time adversário. Isso demandava muita coordenação e movimentação dos atletas. Sem contar a dedicação, pois precisavam atacar e defender com empenho e precisão, para sempre tentar reciclar a posse com determinação feroz.

O comportamento do time Catalão focava na posse de bola, em não deixar o outro time jogar. O que ocorria também quando o time estava sem a bola; com marcação adiantada feroz, sufocando o adversário e fazendo ele não jogar. Pep era obsessivo pelo controle do jogo e tramava essa filosofia para os jogadores. Pep sempre explica – para quem pergunte para ele – como ele ganhou todos aqueles troféus e copas ele responde: Tive a sorte de treinar e comandar jogadores extraordinários como Xavi, Iniesta (chamado também de “o Ilusionista”).

E o maior jogador de todos os tempos – Lionel Messi. O argentino foi peça fundamental nas históricas vitórias do time Catalão. Pep, ao final de sua passagem, nomeou como a Era Messi. E não foi por menos. O camisa 10 marcou época e atingiu feitos inigualáveis, tais como os surpreendentes 91 gols em, um só ano, ou os cinco gols em uma só partida.

“Jogador de outro planeta, outra Galáxia”, explica Pep com uma determinação feroz, um “animal” competitivo.

Alguns números pode-se destacar que em 687 jogos, pelo Barcelona, com 603 gols. Ganhou 10 títulos nacionais (LA LIGA); 6 Copas Nacionais (Copa Del Rey); 6 Super Copas Espanholas; 4 Champions Legue (liga dos campeões); 3 Super Copas Europeias e 3 Copas Mundiais por clubes.

Entre os títulos do Pep Guardiola no Barcelona estão: 3 títulos nacionais (LA LIGA); 2 copas nacionais (Copa Del Rey); 3 Super Copas Espanholas; 2 Champions Legue (liga dos campeões); 2 Super Copas Europeias e 2 Copas Mundiais por clubes.

Guardiola comandou o Barcelona em 247 partidas, venceu 179, empatou 47 e foi derrotado em apenas 21 oportunidades – média de 78,8% de aproveitamento. O time Catalão marcou 638 gols e sofreu 181. A era Guardiola foi um momento revolucionário no futebol atual. Para Fábio Capello, ex-treinador de Real Madrid, Milan, Juventus, Seleção Inglesa, e Rússia, o legado de Guardiola é um dos três grandes momentos do futebol moderno, junto com a Holanda de Rinus Mitchell e Johan Cruyff e o Milan, campeão italiano e bicampeão europeu em 1989 e 1990, comandado por Arrigo Sacchi.

De Arrigo Sacchi vamos falar mais nas próximas semanas. Ele foi treinador do grande Milan.

 

 

 

By Vincenzo D Amelio é diretor do Portallondres, community interpreter no Uk e fala cinco línguas.
Imagem: barcelona-pixabay

Deixe seu Comentário

×